[ editar artigo]

Impactos da transformação digital para o corretor de seguros

Impactos da transformação digital para o corretor de seguros

A disrupção digital com a pandemia se acelerou e trouxe uma grande transformação global. No mercado de seguros não foi diferente, e mesmo em um ecossistema até então bastante conservador, agora vemos que as mudanças estão ocorrendo e é hora, mais do que nunca, de se integrar a esse novo contexto.

No dia 16 de setembro de 2021, tive a oportunidade de mediar um painel sobre o tema no Connection 2021 e ouvir quatro grandes nomes do setor securitário que estão vivenciando, e até mesmo provocando, a transformação digital do nosso mercado. Gostaria de compartilhar neste artigo algumas conclusões às quais chegamos durante o painel, que acredito que podem ser bastante úteis para nós, corretores.

 No cenário de transformação digital que se apresenta hoje, é muito comum que corretores de seguros sintam-se inseguros e ameaçados pela possibilidade da venda direta e das tecnologias que exigem altos investimentos. A realidade, porém, é que a tecnologia tende a atuar muito mais como impulsionadora de oportunidades do que como vilã para aqueles corretores que verdadeiramente atuam como consultores para os seus clientes. Isto porque em contratos de seguros existe uma gama de informações e de detalhes que o cliente, mesmo com maior acesso a informação, não está disposto a pesquisar e se aprofundar sozinho. Havendo um corretor de seguros de confiança pronto para lhe auxiliar e orientar, é natural que o cliente opte por confiar neste profissional.

Outro  ponto positivo da tecnologia é que ela reduz significativamente as atividades manuais que tomam tempo do corretor, como a formulação de cotações e o preenchimento de formulários. Os sistemas multicálculos e de gerenciamento são cada vez mais variados e mais acessíveis, atendendo a diversos perfis de corretores. Os sistemas podem atuar como “funcionários digitais” dos corretores, reduzindo consideravelmente os custos quando comparado a necessidade de uma equipe de suporte e liberando o corretor para gerar ainda mais negócios!

Na área de vendas, com a tecnologia, as redes sociais e o marketing digital, vemos novas oportunidades que se abrem, rompendo as barreiras geográficas e ampliando as formas de captar clientes e se relacionar com eles.

Um ponto importante, porém, é que se antes entrar no digital era uma opção, hoje já não é mais.  É urgente a necessidade de rápida adaptação e aprendizado, até para aqueles corretores mais conservadores, porque o digital tornou-se uma obrigação, que vem inclusive acompanhada de rígidas regulamentações e novas estruturas.

A LGPD – Lei Geral de Proteção de Dados - requer cuidado no tratamento de dados de clientes e na orientação da equipe. É preciso armazenar os dados de forma segura, garantir a confidencialidade dos mesmos e estabelecer boas práticas de tratamento de informações e relacionamento com clientes, tendo a consciência de que os dados pertencem aos clientes e não à corretora ou à seguradora. O Open Insurance está se aproximando, e promete dar ao consumidor domínio sobre os seus dados e maior autonomia na escolha da seguradora que irá atender a sua necessidade pelo melhor custo x benefício. Ao contrário do que se pode pensar, esse processo não exclui o corretor, mas dá a ele maior facilidade de gestão dos dados dentro da LGPD, e de orientação do cliente sobre o produto a ser contratado.

A transformação digital é uma realidade e precisamos decidir de uma vez por todas como queremos estar inseridos nesse processo: vamos participar e buscar formas de aproveitar as oportunidades que ela traz, ou vamos cruzar os braços e deixar passar a chance de fazer mais negócios?  

TUTUM
Maria Luíza Mello
Maria Luíza Mello Seguir

Sou corretora de seguros e administradora de formação. Adoro compartilhar o conhecimento que adquiri com a minha experiência acadêmica e, principalmente, profissional. Por isso, compartilho dicas e dou cursos para corretores!

Ler conteúdo completo
Indicados para você